In§tante§ ð'um £ouco: Julho 2006
Arruma o passado
Vive o presente
Sonha o futuro
Dança!!!
Dança!!!
Recordo...
Vagueava, adormecido da realidade
Como companhia, o meu fantasma...
Despido, oco, contruí muros e fechei-me
Não custa, quando se tem por objectivo terminar os dias.
Uma noite igual a tantas outras
As nossas vidas cruzaram-se.
Derrubaste muros
Vestiste-me, preencheste-me
Um amor assim nunca tinha conhecido.
Todos os meus sentimentos se levantaram
E eu renasci!!
Hoje...
Guardo as marcas desse amor!
...como companhia, apenas o meu fantasma...
Isto é uma declaração de amor!
Afirmo que te quero
É tão obvio como o meu desejo.
Afirmo que te admiro
Tudo em ti é unico.
Afirmo que sou teu
Só o meu sentimento me pode levar a ser.
A tua diversidade
É a minha inspiração
Que me leva á mais pura fantasia.
Afirmo que sou louco!!
Tudo não passa d'um sonho...
As palavras queimam-me
As frases gastam-me
As letras quando as junto, magoam-me.
Por vezes tento poupar-me a essa dor
E encontro nas palavras de outros o meu refúgio!
(iludo-me, oculto, e redescubro prazer)
Não consigo ficar longe,
Mas a dor fica mais leve...
Os dois entregues...
A magia derramou sobre nós o desejo
Inundou-nos de paixão!
Que paisagem de sonho
Esse olhar reproduz...

Enigma vivo, olhar imenso,
Do infinito espelhando a vastidão.
Quem poderá desvendar
O fundo do teu olhar?
Anda, vem!... Dá-me o teu corpo
Em troca dos meus desejos...
Tenho saudades da vida!
Tenho sede dos teus beijos!
Dividido entre o homem e o poeta
um que é bicho
outro profeta
um que sonha
outro razão
um que pena
outro tesão
um íntegro
outro canalha
Sigo a sina no fio da navalha

Ao poeta toca as noites
Ao homem toca os dias ocupados
Ao homem cabe o pecado
Ao poeta só cabe ilusão...
Quero vida!!
Em todos os momentos
Os meus impulsos são sinais
Que não se pode viver aos poucos.
A morte vem de uma vez!
Corro atrás da vida
...e toco os extremos...

Espelho aqui a minha saudade...
Deposito aqui palavras
para distrair a minha paixão,
e dou comigo confundido com os sons
da musica que te ofereço.
Procuro-te entre as palavras...
Nunca estivemos diante um do outro
E tudo que sou devo-o a ti
As tuas escolhas são a minha vida
Menino que fizeste de mim quem sou...
Ando e quanto mais ando mais sinto a distancia!
Caminho sem qualquer direcção
Já passei por aqui...
Estou no mesmo lugar de onde parti
No final do começo!
Parece que estou num filme...
Se alguém me dissesse vocé é infantil
Eu diria, sou mesmo!!
Quem assume a infantilidade...!?
EU!!
Sorri para ti, sorri para mim
Sim, tu!!
Deixa-me plantar-te um sorriso...
Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos entendem-se, mas as almas não.
A solidão do desencontro...
Porque te amo...?
Se procurar razões
Acabo por deixar
De te amar...
Deslizo a tua imagem pelo meu pensamento
O teu cheiro pelo meu sangue
A tua voz, as tuas palavras pelo meu desejo
Que sensibilidade me sobe
da passada adolescência?
Que agudeza dos sentidos
me perturba a consciência?
online