In§tante§ ð'um £ouco: Novembro 2006
Se pudesse destapar a tua tristeza
Para descobrir o teu sorriso
Se pudesse despir a tua alma
Para ler os teus segredos
Se pudesse enlear-me no teu corpo
Para sentir os teus desejos

Se pudesse, amar-te-ía sem receios...
É desejo, sedução
É encanto, atracção
É paixão, amor ardente
É alucinação, vicio que me domina
É sofrimento, afecto violento
É loucura, falta de senso

Amar-te em sonho é crime?
Deliro, eu sei...

Mário Cesariny

"Estou num pedestal muito alto
batem palmas e depois deixam-me ir
sózinho para casa.
Isto é glória literária à portuguesa"
---- // ----
"Alegre triste meigo feroz bêbedo
lúcido
no meio do mar

Claro obscuro novo velhíssimo obsceno
puro
no meio do mar

Nado-morto às quatro morto a nada às cinco
encontrado perdido
no meio do mar
no meio do mar"
---- // ----

"A poesia foi um fogo muito grande que ardeu.
Depois ficaram as cinzas.
Náo sou capaz de dizer versos porque sim.
Acabou."



(Para mim serás eterno...)
Presa na tua nudez
Em argila esculpida
Gritas em silêncio
A dor incomensurável
Da tua inércia
Minha sanidade tornou-se uma alma insegura...
Treme com as minhas ideias, com a consciência de mim.
O essencial do meu ser asfixia de incompreensível
Não consegue fugir da angustia
Do sobressalto, do medo
Da existência de além-ser
Do advir de mim!

Ah, doce Loucura, minha tormenta...
Deixas-me dominado pela paixão, consumido pela sedução
Atormentado pelo mistério sem fim da tua provocação...
Como explicar inexplicáveis emoções?
Se eu conseguisse pensar...
O que há na minha sanidade?

Histeria em alvoroço, sensações à flor da pele...
Sinto-me a esvoaçar em teu redor
Neste momento não me vês, mas estou a tocar
A tua pele e a beijar os teus cabelos
-Estou a conceber uma visão divina-
Tuas mãos rogam pragas aos insectos impertinentes
E sem o saberes acaricias-me.

O vento que te envolve
É o meu sonho transformado em espera...
A vida prende-me a tudo e a tudo me liga...
Sou um confuso monte de forças cheias de tudo
Tendo para todos os lados para todas as direcções
Sinto tudo desmedidamente
Tudo em mim é excessivo

Nitida alucinação que me desperta os sentidos...
A vida é apenas um espelho
De uma coisa que foi
E nunca veio...
Primor de singeleza e de graça
Estrela clara arrancada de um céu profundo
Doce cintilação de delicadeza
Não sou sincero quando penso tanto em ti
É uma descolorida coreografia da minha mente
Que te quer próxima, que te deseja
Que entra dentro do teu sonho
E diz que te ama.

Não sou sincero, é esta vontade
Que me rasga o peito, que sangra com a distancia...
Sobe o pano, o espectáculo vai começar
Não é apenas o dia que amanhece, com ele vêm as marionetes.
Todos os movimentos, acções, gestos, nada lhes pertence
São manipuladas por um destino, seja ele bom ou mau...
Lágrimas, risos, são genuinamente encomendados.
O espectáculo tem momentos de paixão, de dor, de encantamento e tristeza
Há momentos em que as emoções são tão fortes
Que dá a impressão que ganham VIDA!!

E a felicidade!?
A felicidade depende das insconstâncias...
Quando estiveres cansada
E o sono te dominar
Quero lá estar
Para ver de que cor são os teus sonhos
Quando acordares
E deixares o quarto escuro
Quero lá estar
Para vermos de que cor são as estrelas
Sinto a prece da ilusão
A sede sôfrega da ilusão.
Nada mais que isso, ilusão...
E nesta ténue realidade
Vou-me esquecendo de mim
Vou-me esquecendo dos jardins que me rodeiam.

Fui devorado pela ilusão, sou viajante sem viagem...

Crónica Do Pescador Da Marginal

Que história é essa de queres ser feliz comigo, sou um chato. Não gosto de conviver, não gosto de sair, não gosto de cinema, não gosto de praia, nem sequer gosto de jantar fora, gosto de estar no meu canto e que não falem comigo. Que raio de felicidade te podia dar? Ficares num canto também a aborreceres-te? Além disso não reparo nas datas: nos teus anos, nos meus, no dia em que nos conhecemos e portanto não ofereço flores, não dou beijinhos, não abraço, não comemoro, não te deixo de lágrima no olho, comovida, a pôr rosas na jarra. Gosto de pescar. À sexta-feira à noite saio com a tralha para a Marginal e fico ali até de madrugada. E ao sábado. E ao domingo. Não dou pelos faróis dos carros. Não dou pelo cheiro do rio. Acho que não dou pelos peixes. Calculando bem talvez nem goste de pescar: gosto de me sentar na muralha a ver as luzes de Almada reflectidas na água preta, a tremerem. Isto sem pensar em nada.
Apenas sentado na muralha a ver as luzes de Almada a tremerem. Como podiam interessar-te as luzes de Almada a tremerem? Fazem lembrar olhos exactamente no instante das lágrimas, que vacilam. Se calhar as luzes interessam-me porque nunca choro. E não percebo essa história de queres ser feliz comigo. Trabalhamos no mesmo sítio.
Vês-me todos os dias. Almoçamos com os colegas na cantina. Quase nunca falo. Digo
-Pois é
de vez em quando para não julgarem que sou malcriado. O jantar é em casa com o meu pai. O meu pai também quase nunca fala: se o silêncio se prolonga demasia tempo dizemos
-Pois é
um ao outro e continuamos a descascar a fruta. O meu pai não tira o cachimbo mesmo quando mastiga: mete a comida pelo outro canto da boca, soltando argolinhas de tabaco. Se por acaso faleceu aposto que não conseguem arrancar aquela coisa do queixo. Disse-lhe
-Não há quem fecha a urna com você assim
ele achou que um buraquito na tampa, ao pé do crucifixo, resolveria a questão, e de tempos a tempos uma argolinha de tabaco subiria da lápide. Só tenho que lhe deixar dois ou três pacotes nos bolsos para quando o fornilho não tiver mais que cinza dentro. De qualquer maneira, na data em que isso acontecer o reflexo das luzes de Almada vai tremer na água.
Para ser sincero acho que é por causa do reflexo que não quero ser feliz contigo. Imagina, se tu te fores embora, eu sentado na muralha com os olhos exactamente no instante das lágrimas, a vacilarem: mil vezes estar num canto e que não falem comigo, mil vezes o cachimbo do meu pai
-Pois é
e eu
-Pois é
de volta. Há coisas que a partir de uma certa idade a gente não aguenta e fiz quarenta e três anos em Março. Quarenta e três, mesmo que a gente o negue, é uma porção deles. Foi-se a minha mãe, foi-se a minha tia do lado da minha mãe que morava connosco, o meu irmão, na semana seguinte à esposa deixá-lo, abraçou-se a um comboio em Algés: sobrou um sapato, um bocadinho de calça, a camisola com sangue a vinte metros da linha, uma das hastes dos óculos. (Era míope, esbarrava na mobília sem querer.) Ter-se-á abraçado de propósito ao comboio? Durante semanas, depois disso, o cachimbo do meu pai mais rápido e nenhum de nós
-Pois é
a descascarmos a fruta mudos, com a maldita da faca a falhar, a falhar. Demorou a conseguir cortar o pêssego de novo. Temos a haste dos óculos na gaveta das lâmpadas fundidas e das chaves antigas, que serviam ignoro em que portas. Talvez que se pudesse abrir o
-Pois é
com elas e dentro do
-Pois é
o meu irmão a sair para o comboio explicando
-Já venho
e veio em pedaços
(alguns pedaços)
como um modelo de armar a que faltavam metade das peças, à medida que o cachimbo ia soltando argolinhas. Foi o único momento em que me apeteceu fumar. A minha cunhada refez a vida, desapareceu. Mora em Espanha, contaram-me, com um caixa de banco. Ao regressar da pesca não trago peixe na cesta, deito-o de regresso ao Tejo. Isto antes de manhã, minutos antes de manhã, no receio que as luzes de Almada se apaguem. Não me abraço ao comboio para Lisboa, venho dentro dele com a tralha ao meu lado. Nem um cão na rua excepto um desses cachorros vadios que se não interessam por mim, de focinho rente ao passeio a murmurar. Percebo que o meu pai se volta na cama. Que a torneira de um primeiro vizinho principia a verter, o que acorda cedo para correr no parque numa expressão à beira do enfarte ou do orgasmo. Ao ver-me no espelho a minha expressão muda num estalinho como os números dos relógios digitais onde sou um monte de zeros. Não acredito que tu feliz com um monte de zeros, a aborreceres-te num canto também. Se me perguntares se gosto de ti digo que sim. Ou seja diria que sim no caso de a haste dos óculos não estar na gaveta das lâmpadas fundidas e das chaves antigas. Mas está. Portanto o mais que posso é declarar
-Pois é
e pensar noutra coisa. Tenho pena. Palavra de honra que tenho imensa pena e a faca volta a falhar o pêssego, desajeitada. Apetece-me, calcula, oferecer-te flores. Não ofereço. Abraçar-te. Não abraço. Reparar nas datas. Não reparo. Fico para aqui de mãos nos joelhos. E, como não gosto de sair, se me convidares para o teu casamento desculpa mas não vou. Contribuo para a prenda dos colegas de trabalho
-Falta o Guedes
e fico reflectido no tampo de água preta da secretária, a tremer.

António Lobo Antunes (crónica publicada na Visão nº712)

Serei um entre muitos que o admiram, talvez com uma ligeira diferença: gostava de estar sentado, quieto ao seu lado apenas para o ouvir pensar...
online