In§tante§ ð'um £ouco: Maio 2009
.
.

.

Ténue é o fio que me segura à vida
Onde bebo sofrego tudo que me é consentido
E me impele a ser maior e mais além.
Implacável a forma que me determina
Sublime o gesto que em mim se inscreve.


Marcas de uma vida...
Tela única impressa na anatomia do ser.

.
.
.
épi barfedei pur muá
.
.
.
.
Pode a ira ser o começo,
O cansaço violento
Da minha existência?

[Renego-me]

Pode uma gota de indulto
Ser a imperfeição injectada,
O meu adorno derradeiro?

Confundo a morte
com reincidências de vida.

[Atormento-me]

Roubo sentido à remissão
Lavo-me em sangues de solidão...
Antídoto letal da minha loucura.
.
.
.
.
.
Sinto o sabor da falta
Do teu beijo...
.
.
.
.
Será que
amanhã
ainda
me amas?
online