In§tante§ ð'um £ouco: Agosto 2009
.
.

.

Vivo sob os sonhos...
Apresento-te a minha dor!
O nome que não dou ao que me rodeia.
As vénias que me são destinadas.
O corpo feito de sangue e ansiedade.
Sobre mim que julgo vivo cai a razão
A do amor e de outras coisas que não entendo.

E o sol retoma lento o seu caminho...
De que modo morrerei aqui?

.

.

online