In§tante§ ð'um £ouco
.
.




Quanto me custa ver-te ir embora!
Saio de mim preenchendo os espaços,
Até te alcançar no meu abraço e caminhar contigo.

Olho-te, a afastar no tempo que não quero
E fico triste, cada vez mais triste
Por cada passo que vais dando.

Entre mim e ti vai-se ouvindo um silêncio
Lembrando o que se disse e o que ficou por dizer.

Vais indo. Saio do lugar onde estou.
Levo comigo a elegância do teu andar
E um desejo de te amar.

Volto-me, vejo-te mais longe.
Uma lágrima de saudade diz que permaneces aqui...

5 Comments:

Blogger Maria Luisa Adães said...

Que versos lindos e românticos!

Adorei essa forma de amar metafórica e simbolica
em que diz e não diz
em que ama e não ama.

Assim eu sou,
A ilha rodeada de mar
Tu, a Ilha rodeada de gente.

Abraço meu amigo,
das horas lentas e caladas...

Maria Luísa

Um beijo

18/8/11 08:39  
Blogger MAR said...

...belo som...
e voltarei sempre para que mais não seja enviar-te um abraço de saudade! bjs

22/8/11 18:58  
Blogger Jorge Manuel Mendes dos Santos said...

A Confissão (de Neruda )

Foi numa noite assim fria que a nostalgia veio ao meu encontro e aqui parou,
Consta não haver antídoto que a derrote e eu poderia continuar fazendo os versos
Mais nostálgicos p’la noite dentro, mas o meu alento depressa voou,
Volteou nas estrelas, atravessou fronteiras, contagiou as violetas e declarou
Às mariposas: esta noite não vai haver tristeza, nem pesar, nem morte.
Poderei continuar fazendo versos com morte, tristeza exposta ou natureza viva,
Mas não me sentirei justificado se confessar apenas que vivo com agrado
Mas foi nesta noite fria que minh’alma inquieta evocou
Um velho livro que encontrei em Mendoza (Argentina)
“Poesias de Pablo Neruda” dizia dentro: confesso que vivi…

Jorge Santos (19/11/2010)
http://joel-matos.blogspot.com

30/8/11 09:25  
Blogger Ana Caio said...

simplesmente espectacular!!!!!

2/9/11 00:51  
Blogger Paulo Sempre said...

É fixe permanecer aqui...
Abraço

Paulo

4/9/11 15:41  

Enviar um comentário

<< Home

online