In§tante§ ð'um £ouco
Revejo no destino a indolente solidão do estar
Clareira que alimenta a tristeza sob um sol antigo
Não sinto as aves nem lembro o que me cerca
Fujo para junto de um Deus que me persegue
Risco na pele a formosura da morte
Cegueira feita na minúcia dum olhar.

Carrego nos ombros achas de vida
Momentos distantes, matéria sem uso
Sonhos exilados dum instante que fica.

11 Comments:

Blogger scaramouche said...

o grande obrigado a ti louco:)
são palavras assim que dão vontade de continuar.

gosto bastante daquilo que escreves.

scaramouche

12/5/08 10:39  
Blogger Thiago Forrest Gump said...

Haja loucura... Haja!

12/5/08 22:11  
Blogger Papoila said...

Senhor Louco:
Essas achas de vida que carrega nos ombros dão este magnífico poema!
Beijo

13/5/08 18:43  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

Louco

continuas a escrever bem.

sempre!

beij

13/5/08 20:50  
Blogger sinhã, a. said...

Carregas achas de letras. :-)

14/5/08 14:53  
Blogger Peach said...

As tuas palavras e as imagens que escolhes são.....pura magia

***

15/5/08 04:18  
Blogger Thiago Forrest Gump said...

Estacionado...

15/5/08 04:28  
Blogger Barqueira said...

Cada vez amo mais os LOUCoS! :)

Acima era eu com gralhas pq estou meio cega,

16/5/08 01:42  
Blogger scaramouche said...

Parabéns pelas palavras que inspiram os leitores a ... voltar e sair dele com algo especial.

scaramouche.

16/5/08 15:45  
Blogger Papoila said...

"Achas de vida"... pedaços a guardar.. prova vivida.

Beijos
BF

18/5/08 12:43  
Blogger 2Pintas said...

destino indolente...gostei!
jokas

20/5/08 16:21  

Enviar um comentário

<< Home

online