In§tante§ ð'um £ouco
Sinto-te bordada em nuvens...
Imagens de paixão
Reflexos de loucura
Quereres de vontade
Idos de lembrança

No encantamento da noite
Perco-me dentro de ti...

14 Comments:

Blogger Bichinho said...

Lindo!
Beijo amigo.

15/9/07 13:49  
Anonymous Mariana Matos said...

Belas palavras.
Belíssima música.
:)

15/9/07 17:00  
Blogger Papoila said...

Senhor Louco!
Lindo! Lindo! Lindo!
Beijos

15/9/07 18:43  
Blogger adc said...

É-me impossível não passar aqui e caminhar pelas tuas palavras.
Encantamento pela tua loucura ;)

bj

15/9/07 20:14  
Blogger Som do Silêncio said...

Gostei Louco...gostei!
Sente-se que foi escrito com paixão!
Gosto quando escreves assim!

Beijo Silencioso

16/9/07 00:19  
Blogger Papoila said...

"...quereres de vontade idos..."
Eu também me perco em quereres...

Besos

BF

16/9/07 09:54  
Blogger Obsession said...

Sem_ti...

16/9/07 12:51  
Blogger R Lima said...

Belas palavras... como sempre.

Vir aqui é certeza de boa leitura.

Vou te colocar na secção O AveSSo dA ViDa IndIcA

Isso é mais do que merecido.

Abçs e bom domingo,


[ http://oavessodavida.blogspot.com/ ]

O AveSSo dA ViDa - um blog onde os relatos são fictícios e, por vezes, bem reais...

16/9/07 17:25  
Blogger Mixikó said...

uauuuuuuuuuu...Louco...belas imagens...belas palavras que entram e não saiem...
beijosssssssss

16/9/07 19:39  
Blogger Alex said...

Gosto muito desta música.
E das tuas palavras também, destas e das outras que me deixaste.
Bom resto de Domingo.

16/9/07 21:20  
Blogger Azul said...

Noite...onde todos os sonhos são permitidos...

Beijo
Azul

16/9/07 22:48  
Anonymous a.h. said...

Fizeste lembrar-me uma parte de um poema...
Eu, de mim - perdi as palavras algures por ai!!
Gostei muito deste teu instante, do que escreveste, a musica...
E, do vento...
Bjs,
MJ



*As crinas do vento*

"o vento: música ou murmúrio da árvore.
Encosta a obsessão à parede branca dos quintais.
Vento de mar? E jovem leva a nuvem.
Os sinos de bronze, o cimo das searas:
viver é brusco, tão incerto.
E a minha mão, desabituada de sentir que toca
e é gesto
e me deixa possuir,
a minha mão quer a janela aberta. O vento não tem,
não, não tem
crinas.
(...)
Em: "A Ambição Sublime" de J.Camilo

16/9/07 23:31  
Blogger Cleopatra said...

Sonho?
Inspiração?
Poema

17/9/07 23:56  
Blogger 2Pintas said...

Estas palavras deixam-me mesmo nas nuvens! bjs

18/9/07 22:27  

Enviar um comentário

<< Home

online